Das chuvas

Cearense faz uma festa danada com a chegada das primeiras chuvas, prenunciando o início do inverno. Celebração alegre e espontânea das águas que caem do céu. com direito a banho nas biqueiras e muitas manifestações de júbilo. Nunca entendi porque os telejornais não fazem matérias sobre o evento, a exemplo das que fazem sobre outros que ocorrem anualmente.

o ciclo da água

A chuva faz parte do ciclo da água, devolvendo à terra a que foi para o espaço pela evaporação e pela transpiração das árvores. Aqui chegando, se infiltra no solo, abastecendo o lençol freático e fazendo brotar as nascentes que dão origem aos rios. De quebra, fornecem a água necessária ao metabolismo das culturas anuais de milho, feijão, arroz e das culturas perenes. Tempo de nadar e brincar nos rios cheios e açudes. No Ceará (como, de resto, em todo o Nordeste), quando o céu fica coberto com aquelas nuvens cor de chumbo, dizemos que o tempo está bonito, ao contrário do que diz a moça do tempo da tv.

A percepção da chuva pelos humanos varia conforme o lugar onde moram. No sertão e litoral, mais quente e seco, é a melhor época do ano. Aqui na serra, úmido e melado, levava os ricos e remediados a passar o inverno no sertão, obrigando o vigário a transferir a festa de São José para o final de agosto. E nas grandes cidades é sempre um grande tormento pelos transtornos que causa.

Mês passado, a mídia trouxe muitas reportagens sobre a tragédia causada pelas chuvas nas grandes cidades da região mais desenvolvida do Brasil, com ápice em Belo Horizonte. Imagens dantescas, números expressivos, mostrando bem a qualidade desse ‘desenvolvimento’. Expostos os efeitos, pouco vi de análise sobre as causas. Parece até ser natural que um fenômeno repetido anualmente há milhares de anos pegue desprevenidos os habitantes de uma metrópole.Não se pensa em perguntar os por quês ou é inconveniente fazê-lo? Sei não. O que sei é que a chuva tinge de verde a caatinga, trazendo beleza, alegria e alento para o sertanejo.

Viver na roça

Pessoas que nos visitam comentam: – que delícia morar aqui!; – que sossego!; – que clima gostoso! e por aí vai. Confirmam o ditado: vida boa é a dos outros (que não têm nossos problemas). Confesso que em parte têm razão. Vivo como gosto, no lugar que escolhi. Quem sabe isso não contribui pra provocar essa visão romântica nos visitantes.

Na roça, vivem milhões de seres invisíveis que, entre outras funções, produzem alimentos pros habitantes das cidades e matéria prima para a indústria. Por sua invisibilidade nunca são lembrados pela sociedade na hora de receber o mínimo necessário para uma vida digna: infraestrutura, segurança, saúde, educação. Costumeiro o aviso das professoras aos alunos relapsos: – estuda, menino, se não você vai viver sempre na roça. E todos sabem o tamanho do êxodo rural.

Viver na roça é precário, viver da roça, uma corrida de obstáculos. O cabra é o último elo da cadeia, quando compra, o primeiro, quando vende. Em português: compra caro e vende pelo menor preço. E tem que administrar fatores sobre os quais não tem a menor governança: falta ou excesso de chuva, aquecimento global, políticas econômicas dos governos ou humores de gerente de banco.

Por que  então um fidumaégua larga as maravilhas da vida urbana e se embrenha no mato? Atavismo, talvez. Insanidade, diagnosticou o gerente do banco ao negar um custeio pra maracujá sem o obrigatório pacote ‘tecnológico’ de adubo sintético e venenos. Desafio, sonho, muita coisa explica. Ou tudo junto e misturado. O fato é que estamos aqui. Vivendo. E de portas abertas pra receber todos os que nos dão o prazer de vir até aqui, no Genipapo. Pode chegar.

Não é de Deus nem do Diabo

Cinema foi programa obrigatório e gratificante em minha infância em Piracuruca. Víamos todos os lançamentos e depois íamos reproduzir as cenas nas areias do rio lá pras bandas da Ponte do Urubu, lugar distante da cidade na época. Hopalong Cassidy, Tom Mix, Tonto, Zorro, Tarzan, Flash Gordon eram parceiros de aventuras. No final, o mocinho aparece, vence o bandido e a paz e a felicidade se estabelecem. A vitória do bem contra o mal, o triunfo da justiça. Mais tarde a gente vê que tem muito bandido vestido de mocinho (já advertido por Esopo e Jesus Cristo). E que a vida tem mais nuances que o simples preto e branco.

Na primeira metade dos 1960, cinema era a maior diversão em Fortaleza. Nas sessões de sábado à tarde do São Luiz, rapazes de paletó, garotas nos trinques, a badalação contava mais que o filme exibido. Na segunda, começo a frequentar cineclubes e ver a atividade com outros olhos. A provocação de Glauber Rocha, uma câmara na mão, uma ideia na cabeça, acaba por me levar à Escola Superior de Cinema da Universidade Católica de Minas Gerais, com o padre Massote citando Humberto Mauro – cinema é cachoeira – e mostrando que High Noon tem a mesma duração que o tempo cronológico da ação.

Enquanto via filmes dos grandes diretores, das diversas escolas cinematográficas, participava de produções amadoras para concorrer aos festivais, entre os quais sobressaia o Festival JB/Mesbla, colocando em prática o aprendido. Ao final do primeiro ano de escola veio o AI 5 e tornou mais difícil o que não era fácil. Ao final do curso optei por uma carreira de fotógrafo, me distanciando das lides cinematográficas. Foi mais ou menos nessa época que as tvs brasileiras começaram a transmitir a premiação do Oscar, aquele prêmio da Academia que indica BlacKkKlansman e premia Green Book. Na escola a gente sempre discutia o significado desse e outros prêmios, colocando-os na perspectiva correta.

Aí, já sacava a importância que os governos das grandes potências davam ao cinema, vendo a atuação de Harry Stone no Brasil. Hollywood foi a ponta de lança dos USA em espalhar seu americanwayoflife. O cinema americano torna-se referência de público e crítica em todo mundo ocidental. Não surpreende, pois, a violenta investida do macarthismo contra membros da indústria cinematográfica. Apesar dos estragos feitos na vida e carreira de profissionais talentosos, deixou evidente a ficção da ameaça comunista, trampolim usado por escroques inescrupulosos pra subir na vida. Não podendo prescindir do talento dos perseguidos, Hollywood encontrou formas de utilizá-los (pagando menos, é certo). E manteve seu glamour. Tanto que as fotos que ilustram este post é de uma cidade que se intitula a roliúde brasileira, por ter sido cenário de alumas produções nacionais. Lá, o bode é rei e ela tem muito mais a oferecer a quem a visita.

A diatribe macarthista do que há de pior na política e na sociedade brasileira contra a indicação ao Oscar do filme de Petra Costa mostra a triste situação que vivemos. Os eleitores da Academia não têm de prestar contas a patrão, nem são dependentes de governo. Podem votar se atendo aos aspectos técnicos e expressivos do filme, atendendo os padrões exigidos para indicação. Quem o viu, sabe ser uma narrativa pessoal, honesta, na voz da própria autora sobre fatos do conhecimento de todos. Até alivia, na grande, as aberrações da lavajato. E quem assiste filmes e/ou séries americanas sabe que juiz do tipo não se cria nos USA.

Hoje todo mundo tem uma câmara na mão, mas quase nunca uma ideia na cabeça. Ironicamente, o reconhecimento dos filmes brasileiros, desde O Cangaceiro (1953), tem acontecido no exterior, em festivais e premiações diversas. Por aqui, imprensa, críticos, exibidores, distribuidores, autoridades não se cansam de colocar obstáculos. O que salva é a persistência dos realizadores em demonstrar a existência, renovação e vitalidade do cinema nacional. Eu não me entrego não.

Sei lá não sei

Pero Vaz Caminha desbundou com a exuberância da vegetação que viu ao desembarcar e escreveu uma carta ao rei: tudo que nela se planta, tudo cresce floresta. Era a senha para o saque. Depressa se esgotou o pau brasil e logo se atacou a mata atlântica pra plantar cana. Quando Ana Primavesi chegou ao Brasil, o estrago já era grande. Séculos de uma agricultura predatória, latifundiária, escravagista, o café tomando o protagonismo da cana, se expandindo na devastação das matas, ainda exuberantes, que a terra era muita e os donos poucos.

Invocada que as plantas não viravam floresta, apesar da elevada taxa de fotossíntese (eucalipto, por aqui, vira secular em 8 anos), Primavesi se dedicou a procurar os por quês. O resultado, um livro fundamental pra quem trabalha com agricultura nos trópicos, O Manejo Ecológico do Solo. Uma visão sistêmica sobre solo, plantas, vida, ecologia. Uma agricultura baseada no funcionamento da natureza, adaptada ao lugar onde era praticada. Produtiva e sustentável.

O solo é um ser vivo e dele brota a vida no planeta. Cabe ao agricultor zelar por ele para colher bons frutos. Simples assim. Ana Primavesi estudou, ensinou e praticou agricultura por toda a sua vida. Demonstrou na prática tudo que botou nos livros. Vida. É o que pulsa em toda sua trajetória.

Ligado à agricultura desde a infância e testemunha do desequilíbrio que a dita modernização da atividade trouxe à Serra Grande, acompanhei sempre todas as alternativas ao modelo preconizado pelo sistema agroindustrial. Assim, quando voltei pra roça, trouxe os ensinamentos e exemplos de Ana Primavesi, Adilson Paschoal, José Lutzenberger, Nasser Youssef Nasr, Johanna Dobenreiner, entre outros, e tratei de colocá-los em prática. A reação provocada por proposta tão singela foi desproporcional. Descrença, chacotas, questionamentos brotaram de todos os lados, de revendedores de insumos, de agrônomos e técnicos, de gerentes de banco e até de motorista de caminhão. Imagino o que os citados acima tenham sofrido. Mas a terra respondeu aos bons tratos, outras pessoas compraram a ideia e hoje já são muitos agricultores na Ibiapaba, produzindo alimentos em perfeita comunhão com a natureza. Que se multipliquem. A vida compensa.

Ano Novo

O Ano Novo chegou de forma explícita aqui no Genipapo. Da noite pro dia as nuvens se formaram, pingos de chuva caíram e o dia amanheceu coberto pela neblina que caracteriza a serra. Uma paisagem que encanta os visitantes que dão as caras por aqui, com as batidas comparações com a Suíça ou Oropa.

Essa paisagem era comum por aqui. Há 20 anos, amigos de outras regiões que me visitavam, diziam: – ‘não sei como você aguenta viver aqui, quase 10 horas e nada de sol’. Mas pra passear é a paisagem que brasileiro valoriza. Hoje o clima mudou. Só nega quem vive no ar condicionado, nunca viu um nascer ou por de sol, nem admirou uma flor. E tem a mão do homem nesta mudança. Neblina só nas grandes datas.

Seria este visual um bom presságio? Difícil dizer quando vemos o que ocorre pelo mundo. Incêndios florestais na Austrália, de causas naturais, mostram nosso despreparo para enfrentar situações adversas. As reações ao ato terrorista de Donald Trump, no Iraque, deixam clara nossa falência em civilização. Recentemente vi um filme, Casal Improvável – Long Shot, onde a protagonista, abrindo mão do que diziam os institutos de pesquisa e as recomendações da equipe de marketing, resolve falar a verdade. E se dá bem. Penso, e se a vida tivesse coragem de imitar o cinema?

(Hoje nos deixou Ana Primavesi. Uma referência no estudo e prática da ecologia. Fica seu legado. Será a estrela a nos mostrar o caminho).

Caminhando

E mais uma vez a Terra dá uma volta completa em torno do Sol. Um ciclo que chega ao seu final, ponto de partida para um novo que se inicia. Nessa época, os humanos fazem um balanço do ano que passou, metas para o ano vindouro e formulam sinceros votos de feliz ano novo para si e os demais habitantes do Planeta.  

Pra quem vive no Brasil, o ano não foi lá nenhuma brastemp. Muita gente abdicou de pensar com a própria cabeça e elegeu o whatsapp como oráculo da verdade. Passou a acreditar em qualquer barbaridade postada na rede como um dogma revelado. E quando a mentira é tão valorizada, o futuro não é muito promissor. Sem dúvida um prato cheio para roteiristas, o caso do estranho país onde pessoas alfabetizadas acreditam em mamadeira de piroca. Natural, pois, que apareça os que acreditam em terra plana, num alegre exercício de involução.

A natureza (que precede o ser humano e dele não depende pra nada, antes pelo contrário) continua, porém, em constante evolução. Apesar de perseguida implacavelmente, por ignorância e cobiça, se renova e revive a cada estação, numa reciclagem constante. Sem pudor e sem culpa, explode numa profusão de cores e cheiros, celebrando a vida e garantindo sua perpetuação.

Mas a vida é esperança e estão aí Greta Thunberg e Luiza Erundina para confirmar. A criança que ousou avisar que ‘o rei está nu’, provocando a ira dos aproveitadores poderosos. E a militante que vive sem envelhecer. Pessoas representam o que há de melhor em nossa espécie e nos permitem acreditar que o futuro pode vir.

Feliz Ano Novo!

Ou então

“Pois que reinaugurando essa criança / pensam os homens / reinaugurar a sua vida” diz, otimista, o poeta João Cabral de Melo Neto. Pergunto: quantos de nós temos consciência do que estamos comemorando nesta data? Evidente que os que debocham dos que não podem comprar carne, não.

Diferente de outros profetas que se declaram emissários do Altíssimo, Jesus Cristo proclama sua divindade. Não é apenas o mensageiro, é a própria mensagem. Essa ideia de um Deus de carne e osso, vivendo no meio de nós,  provoca uma nova relação do homem com a sua fé. Sai de um plano etéreo para um compromisso com o real cotidiano. Impossível, para quem acredita, dissociar Deus de sua obra.

Jesus não deixa barato. Questiona uma prática religiosa baseada em regras, ritos, oferendas, tudo aparência pra esconder o que dizem as Escrituras. Como podem dizer que acreditam em Deus se destroem, na maior, tudo que Ele criou? Se humilham e maltratam seu semelhante, como se não fossemos todos irmãos? Como cultuar um Deus invisível, se todas as Suas manifestações são ignoradas? Sempre firme, mas sem perder jamais a doçura. A única vez que perdeu as estribeiras foi com os ministros da religião que usavam o templo para negócios e enriquecimento pessoal. Reza bonita, gestual apurado, coreografia ensaiada de nada valem sem a ação de acordo com os ensinamentos.

Uns comemoram a data com uma grande ceia – peru, pernil, presunto, panetones, vinhos finos, cristais. Outros reúnem a família e celebram dentro das possibilidades. Muitos dependem da solidariedade de pessoas de boa vontade para ter um gostinho de natal, como lembra magistralmente Assis Valente. A mídia – jornais, rádios, tvs, sites – logo sairá com os resultados das vendas natalinas, torturando os números até que confirmem a tão proclamada recuperação da economia, que só não alcança os mais necessitados, como mostra o Ipea. Não é mesmo tão peculiar que a economia não sirva pra melhorar a vida das pessoas? Coisa nossa, que nem a jabuticaba.

Pelo que narram os Evangelhos, provavelmente Jesus Cristo comemoraria hoje seu aniversário na casa de um carpinteiro desempregado em nome da moral e do ‘correto funcionamento da economia’. Talvez, aproveitasse pra bater um papo com Francisco, Boff, Stédile e outros que são perseguidos por manter vivos Seus ensinamentos, na construção de um mundo de amor, justiça e respeito, dando azo aos votos do poeta: “e possa enfim o ferro / comer a ferrugem / o sim comer o não”.

Feliz Natal!

Poema Cartão de Natal, de João Cabral de Melo Neto, no livro Museu de Tudo, edição de 1976 da Livraria José Olympio Editora. Pode ser visto aqui. <> Primeira e última foto, Flor do Natal, presente aqui na região e que flora uma vez por ano nessa época. <> Outras fotos, encenação do Natal pelos coroinhas da Paróquia de São José Operário de Ubajara, com os meninos da Associação Estrela Dalva.