Ano Novo

O Ano Novo chegou de forma explícita aqui no Genipapo. Da noite pro dia as nuvens se formaram, pingos de chuva caíram e o dia amanheceu coberto pela neblina que caracteriza a serra. Uma paisagem que encanta os visitantes que dão as caras por aqui, com as batidas comparações com a Suíça ou Oropa.

Essa paisagem era comum por aqui. Há 20 anos, amigos de outras regiões que me visitavam, diziam: – ‘não sei como você aguenta viver aqui, quase 10 horas e nada de sol’. Mas pra passear é a paisagem que brasileiro valoriza. Hoje o clima mudou. Só nega quem vive no ar condicionado, nunca viu um nascer ou por de sol, nem admirou uma flor. E tem a mão do homem nesta mudança. Neblina só nas grandes datas.

Seria este visual um bom presságio? Difícil dizer quando vemos o que ocorre pelo mundo. Incêndios florestais na Austrália, de causas naturais, mostram nosso despreparo para enfrentar situações adversas. As reações ao ato terrorista de Donald Trump, no Iraque, deixam clara nossa falência em civilização. Recentemente vi um filme, Casal Improvável – Long Shot, onde a protagonista, abrindo mão do que diziam os institutos de pesquisa e as recomendações da equipe de marketing, resolve falar a verdade. E se dá bem. Penso, e se a vida tivesse coragem de imitar o cinema?

(Hoje nos deixou Ana Primavesi. Uma referência no estudo e prática da ecologia. Fica seu legado. Será a estrela a nos mostrar o caminho).