qua~ren~te~na

A viagem programada e celebrada em post anterior gorou. Além da natural decepção com a alteração de planos tão carinhosamente construídos, temos de lidar com o prejuízo para garantir o ganho da empresa aérea. No meu caso, trocar 3 passagens no trecho FOR/CNF/FOR por um crédito em dinheiro que não garante nem uma passagem ao Recife. E se noticia que o governo vai dar 10bi do nosso dinheiro pra ajudar as aéreas. E mais um tanto para socorrer empresários da inciativa privada, incapazes de gerar riqueza sem a mão amiga do Estado. Parece absurdo, realmente é, mas assim são as coisas. Trabalhadores e consumidores que arquem com a festa do andar de cima.

Os lucros das empresas tão garantidos. Empregos e salários, não. Embora alguns economistas estejam descobrindo que se o trabalhador não for trabalhar o ganho do patrão tá perdido, não propõem nenhum alívio pra quem precisa de emprego. Antes, pelo contrário. Chega-se ao cúmulo de admitir a morte de pessoas desde que se garanta a grana. O ser humano não conhece limites quando resolve ser abjeto.

Um minúsculo ser invisível põe a nu, de forma implacável, as mentiras que nos foram impingidas pelas classes dominantes. Papo direto e reto. Tião Nunes, numa sacada genial, levanta a hipótese de ser ação do Ser superior, que criou o Céu e a Terra, aborrecido com a babaquice dos humanos e puto com a utilização de Seu Nome em vão, por religiões picaretas. Parece mesmo.

Didaticamente, verdades vêm à tona. Quem cria riqueza é o trabalho, ponto. Sem o trabalhador, empresário nenhum gera um tostão. Já os trabalhadores mostram resultados sem os empresários, como comprovado pelos probos pioneiros de Rochdale e assentamentos do MST. O tal ‘mercado’, endeusado por çumidades acoitadas pela mídia, não passa de um falso ídolo, o bezerro de ouro, já descrito na Bíblia, milhares de anos atrás. São pródigos os exemplos que diferenciam os charlatões, plenos de chavões e vazios de propostas, dos verdadeiros economistas que se debruçam na busca do que a ciência tem de ferramentas para enfrentar a crise. E chega a ser trágico que montanhas de trilhões de dinheiro, gastos com sistemas militares e armamentos de destruição em massa, sejam impotentes para salvar os habitantes do planeta de uma ameaça real. Isso sim, recursos desperdiçados.

A reclusão é desconfortável, certo. Mas é a forma de enfrentar a ameaça. Uma pena que as redes sociais não tenham um filtro pra impedir a ignorância e a estupidez e a gente seja bombardeado por legiões de dementes alardeando sua condição. Resta manter a lucidez, arrumar gavetas e armários, organizar os arquivos, ler um bom livro. E torcer para que saiamos da crise com algum aprendizado. A vida não é só isso que se vê.

Fotos da exposição Raízes, de Weiwei, vista em março de 2019, no CCBB de Belo Horizonte.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s